Ambulatório de especialidades Notre Dame oferece exame de biopsia guiada por agulhas - PAAF


Há dois meses, o Hospital Notre Dame Júlia Billiart inaugurou um novo espaço, o Ambulatório de Especialidades. Desde então, inúmeras pessoas já passaram pelo local, usufruíram da estrutura moderna, confortável e aconchegante.


O paciente que chega ao ambulatório já tem suas dúvidas esclarecidas. O local dispõe de atendimento, agendamento de consultas e exames, coleta de exames laboratoriais e caixa, com um horário de atendimento diferenciado: das 6h45min às 20 horas, sem fechar ao meio dia.


Uma das novidades que o ambulatório apresenta é o exame de biopsia guiada por agulhas, a Punção Aspirativa por Agulha Fina - PAAF. O paciente não precisa necessariamente ir para um bloco cirúrgico para fazer a biopsia, a mesma pode ser feita por uma agulha. O método poderá ser utilizado em exames de tireoide, mama e próstata. A novidade está disponível todas as quartas a tarde e quintas pela manhã, sob responsabilidade do Dr. Fábio.


O que é a PAAF?


A Punção aspirativa por agulha fina (PAAF), ou também conhecida por Citologia Aspirativa e Punção Aspirativa, é uma técnica que permite a retirada de células de nódulos ou lesões em órgãos superficiais (como pele, tireoide, mama, glândula parótida, nódulos da região cervical, entre outros), através de uma agulha fina, não sendo necessária anestesia ou qualquer preparo prévio na maioria dos casos. O uso da ultrassonografia permite a identificação exata do nódulo e a visualização simultânea da coleta do material, garantindo maior eficácia e melhores resultados mesmo em nódulos muitos pequenos e áreas mal delimitadas.

A primeira descrição de retirada de células de tumorações para exame microscópico através de agulhas foi realizada por Kun em 1847. Entretanto, sua prática foi pouco utilizada até a década de 50. A partir de 1950, após ser descrita por um grupo escandinavo, a técnica, hoje considerada clássica, passou a ser mundialmente adotada para investigação de lesões expansivas cervicais.

Com informações: Revista Saúde



WhatsApp-icone.png