top of page

Após Google contratar Michel Temer, big techs ganham reforço no PL das Fake News

O projeto de lei 2630/2020 – PL das Fake News – é um dos mais polêmicos do Congresso atual. Após a intenção de votá-lo, em maio, o texto foi retirado pelo relator Orlando Silva (PCdoB-SP) para que voltasse semanas depois, mas até hoje segue em aberto. Se o retorno da pauta ao plenário permanece indefinido, os holofotes reacenderam a temática nos últimos dias.

A notícia de que o Google contratou o ex-presidente Michel Temer (MDB-SP) para intermediar negociações apontam que as chamadas big techs (as gigantes mundiais da tecnologia) vão pressionar mais abertamente o parlamento. Temer conhece atalhos.

Antes de assumir a Presidência após o impeachment de Dilma Rousseff (PT-MG), além de reconhecido advogado constitucionalista, presidiu a Câmara de 1997 a 2000 e de 2009 a 2010. E o ingresso do ex-presidente no cenário acontece momentos depois de seu ex-ministro da justiça (2016), e posteriormente indicado (2017) ao Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, ter aberto inquérito contra o Google por suposta “campanha de desinformação” durante as discussões do PL.

O processo tem origem em pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), com base em declarações do presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL), ao constatar que mensagens enviadas aos usuários das big techs sobrecarregaram o sistema de informação da Câmara, em razão de links de redirecionamento ao portal da casa.

No centro das motivações, está a criação de uma agência reguladora no país, inspirada pelo Digital Services Act (DSA). O modelo foi adotado pela União Europeia, não sem reviravoltas. O entrevistado do Respostas Capitais de hoje, o deputado europeu português, João Albuquerque, resume como foi a pressão por lá:

– Avassaladora, e continua a ser. Há sempre tentativa de ficar à margem de todas as regulações, e obviamente tentar influenciar ou contornar as regras. Nesse aspecto, a Europa deu uma resposta cabal, há pouco tempo, aplicando multa em um processo relativo à Meta, do Facebook, que mostra como estamos sendo implacáveis. E é importante que se mantenha essa lógica. O objetivo é sempre a proteção do consumidor, que somos nós. Não se trata de ataque, apenas de necessidade de proteger os cidadãos.

O caso da Meta, acrescenta, ocorreu por compartilhamento indevido de dados dos cidadãos europeus com os Estados Unidos e empresas norte-americanas, “o que para nós é absolutamente inaceitável”. Essa visão, diz, tem de ser unificada e partilhada, seja qual for a entidade em questão.

– É fundamental mantermos essa frente internacional unida na proteção dos interesses das pessoas – argumenta.

No sábado, o ministro do STF, Luís Roberto Barroso declarou à imprensa que, por aqui, o ponto-chave da necessidade de regulação das redes sociais já não é se vai haver controle, mas quando e como. Na prática, o alinhamento do país com a UE ajuda ri a destravar o Acordo do Mercosul com o bloco europeu.

O embate é travado por dois modelos. De um lado, a Europa quer o rigor institucional e a proteção dos usuários. De outro, os Estados Unidos e as big techs demandam por autorregulação, sob o pretexto de evitar a institucionalização da censura. Há dificuldade, entretanto, para avaliar que a informação cumpra com propósitos dados não apenas pela sua difusão, mas pela lógica de informar com credibilidade.

Trata-se de mais um duelo de esgrima em que a mão invisível do mercado, de Adam Smith, empunha uma das espadas em nome da liberdade econômica em detrimento da função social da informação. Touche! En garde!


POR GZH


Posts recentes

Ver tudo

BAHIA FARM SHOW: STARA APRESENTA NOVIDADES NA FEIRA

Com o lema de Evolução Constante, a Stara leva para esta edição da Bahia Farm Show seu DNA de inovação e tecnologia. De 11 a 15 de junho quem visitar a feira poderá conferir as novidades e lançamentos

Commenti


bottom of page