Autor confesso de ataque diz que sofria bullying e que se inspirou em caso de Suzano

#PortalEstaEmTudo

@ Fábio Schaffner/Gaúcha ZH


O adolescente de 17 anos que confessou ter atacado o Instituto Estadual de Educação Assis Chateaubriand, em Charqueadas, na tarde desta quarta-feira (21), era ex-aluno da escola. Em depoimento à Polícia Civil, contou que sofria bullying dos colegas em 2015 e que se inspirou no massacre de Suzano — onde 10 pessoas morreram, incluindo os dois atiradores.

O autor do crime contou ainda que planejou toda a ação sozinho. Por volta das 13h30min, invadiu a escola armado com uma machadinha e um coquetel molotov. O ataque começou na turma 171, da sétima série. 


Com um pano escondendo o rosto, vestindo moletom e calça jeans, o invasor se agachou rente à porta, pegou um recipiente com combustível de dentro de uma mochila, o acendeu, abriu a porta e jogou dentro da sala. Assustados, os alunos tentaram sair quebrando a janela. O artefato não explodiu e  o adolescente entrou na sala com a machadinha na mão distribuindo golpes.  

Seis pessoas foram encaminhadas para atendimento médico. As vítimas são dois meninos de 14 anos, duas meninas de 12 anos, uma de 13 e outra de 14 anos. Todas foram socorridos no Hospital de Charqueadas e já foram liberadas. 


 O adolescente fugiu pelo portão da frente após ser desarmado pelo professor de Educação  Física, Juliano Mantovani. Na porta da sala, o professor deparou com o adolescente segurando a machadinha numa mão e outro coquetel molotov na outra. Aos gritos de "para", ele conseguiu desarmar o jovem, mas se desequilibrou e ambos caíram.

— Ele não parecia em fúria. Parecia assustado. Tanto que eu tirei a machadinha e ele não reagiu — lembra o professor.


Quando eles estavam se levantando, outro aluno chegou ao local e acertou um soco no adolescente. Mesmo golpeado, ele se desvencilhou e fugiu, pulando um portão interno e saindo pela entrada principal do colégio.  


— Eu acertei um soco nele, que ainda escorregou. Eu e outros colegas ainda fomos atrás, mas ele era muito rápido — lembra o estudante.


Mantovani também tentou perseguir o rapaz, mas logo foi chamado pelos alunos. Apavorados, eles diziam que os colegas atacados estavam sangrando sumiram para o local.


Ele foi até sua casa e trocou de roupa. O pai acionou a Brigada Militar. Foi assim que acabou preso.

Escola foi isolada para a perícia Jefferson Botega / Agencia RBS

5a4e2ef62da5ad73df7efe6e_edited.png
  • Instagram
  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco

© COPYRIGHT 2019, PORTALNMT

TERMO DE USO   |  PRIVACIDADE

WhatsApp-icone.png