top of page

Bons hábitos de higiene bucal reduzem cáries e riscos de doenças

No Dia Mundial da Saúde Bucal, celebrado em 20 de março, a Secretaria da Saúde (SES) alerta a população para a importância dos bons hábitos de higiene bucal, alimentação saudável e visitas frequentes ao cirurgião-dentista para redução dos índices de cárie, doenças periodontais e perdas dentárias.


A data foi instituída pela Federação Dentária Internacional (FDI) e lançada oficialmente em 2007. Neste ano, a campanha dá continuidade ao tema escolhido para o período 2021-2023 – Tenha orgulho de sua boca.


A coordenadora da divisão de Saúde Bucal da SES, Tatiana Lafin, assinala que o cuidado com os dentes, gengiva e mucosa bucal tem papel crucial na capacidade de realizar atividades diversas, como mastigar, deglutir e articular palavras. Além disso, manter a saúde bucal em dia também melhora a autoestima e a confiança das pessoas.


“A cárie é uma doença infecciosa. É considerada a doença mais comum nos seres humanos e precisa ser controlada”, afirma Tatiana. O controle é feito pela correta higienização dos dentes e da gengiva. “Todas as vezes que nos alimentamos devemos escovar os dentes e, sempre que possível, usar o fio dental. Depois dos intestinos, a boca é a cavidade com o maior número de bactérias”, explica a coordenadora.


Riscos de doenças


Algumas das doenças bucais mais comuns são a periodontite e a gengivite, que ocorrem pela má higiene bucal e causam sangramento gengival. Estão relacionadas a doenças sistêmicas, como diabetes, com interferência mútua, ou seja, a piora na saúde gengival pode aumentar a glicemia.


Além disso, doenças cardiovasculares, como ateroesclerose e endocardite bacteriana, também estão relacionadas a periodontites. Para as gestantes, é importante realizar o pré-natal odontológico, pois a periodontite também está ligada a partos prematuros e a nascimentos de bebês com baixo peso.


O câncer bucal tem alta prevalência na população, sendo um dos tipos mais comuns. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o Brasil está na terceira posição do ranking. Se diagnosticado no início, há grandes chances de cura (cerca de 80%), sem deixar sequelas. As causas são multifatoriais, como tabagismo, álcool, alimentação, má higiene bucal, traumas na boca, entre outras.


Importância da escovação


O dentista deve ensinar a forma correta de escovação, assim como recomendar a escova ideal para o paciente. Existem vários tipos de escova no mercado e, na maioria das vezes, a orientação é usar escovas de cabeça pequena e cerdas macias.


Quanto aos enxaguatórios bucais, assim como todo medicamento, também possuem efeitos colaterais e apenas profissionais capacitados estão aptos para recomendar a utilização do produto.


Rede de Saúde


O Sistema Único de Saúde (SUS) no Rio Grande do Sul oferece atendimento em saúde bucal, desde a Atenção Primária até a Atenção Especializada.

  • Atenção Primária


Nas unidades de saúde dos municípios é feita a detecção e a resolução das necessidades odontológicas do usuário. Quando necessário, é realizado o encaminhamento para as devidas referências para reabilitação e atendimento especializado, assim como para manutenção pós-tratamento. A Atenção Primária também realiza ações de promoção e prevenção de saúde bucal.


Além do atendimento clínico, é realizado um trabalho de educação em saúde nas escolas e creches, por meio, por exemplo, do Programa de Saúde na Escola (PSE). Entre as ações, são distribuídas escovas de dentes para escolas, creches, APAEs, penitenciárias e unidades de saúde.


  • Atenção Secundária


A Atenção Especializada em saúde bucal no Estado é representada pelos Centros de Especialidades Odontológicas (CEO) e Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias (LRPD). O Rio Grande do Sul é um dos poucos estados brasileiros (sendo o segundo para o CEO e o primeiro para LRPD) a disponibilizar recursos específicos para esta modalidade.


Nos CEO, são realizados procedimentos de endodontia (tratamento de canal), cirurgia oral maior, periodontia (doenças de gengiva), estomatologia (câncer bucal) e atendimento a pacientes com deficiência.


Os laboratórios são responsáveis pela confecção de próteses dentárias, distribuídas por todas as regiões. Esses serviços recebem recursos estaduais mensais para melhoria das condições de atendimento.



bottom of page