Carazinho inaugura sua primeira escola Cívico Militar

A EMEF Eulália Vargas Albuquerque (CAIC), inaugurou nesta quarta-feira (23), a implantação do modelo de escola cívico militar. É a primeira instituição do município a fazer a adesão ao projeto. O ato teve a presença do Deputado Estadual Tenente Coronel Zucco (PSL), autor do projeto de lei que institui as escolas cívico militares no Rio Grande do Sul.


Em entrevista à Rádio Diário AM 780 o deputado destacou que a escolas cívico-militares restabelecem o ensino de qualidade e sem ideologia partidária para formar cidadãos íntegros. De acordo com o parlamentar, o Rio Grande do Sul conta com 23 escolas do programa federal e com 50 escolas cívico-militares do programa estadual, e que juntos beneficiam mais de 20 mil crianças e adolescentes. Zucco explica que a principal diferença entre as escolas de adesão federal é de que estas recebem valores da União para aplicação em suas infraestruturas e custeio. Zucco destacou que diante do cenário de pandemia em que as aulas vinham sendo realizadas na maioria dos casos de forma remota, se perceberá os reflexos comportamentais resultantes do formato proposto pelas escolas cívico militares daqui pra frente, e ponderou que diante do retorno presencial das atividades escolares a tendencia é de que o número de novas adesões de escolas e municípios ao programa tende a avançar em 2022. Zucco ainda fez um apelo para que a comunidade escolar, em especial pais e responsáveis por alunos, participem das atividades da escola e das formaturas que serão realizadas, destacando que a meritocracia é algo também abordado pelo modelo.


A diretora da EMEF Eulália Vargas Albuquerque (CAIC), Simone Martins, destacou que o novo modelo a ser implementado é um marco importante para a comunidade escolar e para a educação no município. “Vem a somar com a proposta pedagógica e para aumentar o índice do IDEB da escola. A presença dos monitores irá aprimorar a cidadania com uma conduta respeitosa, civismo e valores éticos e morais”, citou a diretora. Ao finalizar sua fala Simone agradeceu a oportunidade dada a EMEF e que deve fazer diferença na vida dos alunos. “Acreditamos muito no programa porque nossa comunidade e alunos merecem, e isto vai marcar muito a vida deles futuramente”, citou Simone. A diretora destacou que ainda devem ser contratados três monitores, já que a proporção é de um militar para cada 90 alunos. Os profissionais da área de segurança não farão interferências na grade curricular e pedagógicas da escola.


O presidente da Câmara de Vereadores de Carazinho, Daniel Weber, considerou a inserção da escola no programa um presente para a cidade. “É um presente de resgate. Resgate de valores, dignidade e promessa de futuro do nosso país. Nos dias atuais muitos valores e princípios tem sido distorcidos e tenho certeza de que este passo trará logo ali na frente o resgate destes valores que vem se perdendo durante o tempo”, disse Weber. Citou que a presença de monitores da Brigada Militar que compõem a reserva no ambiente escolar será um diferencial e um marco na cidade de Carazinho. O legislador agradeceu aos vereadores que batalharam para viabilizar a proposta.


A secretária de Educação, Sandra Bandeira Guerra, destacou que as escolas cívico miliares se destacam por um formato de ensino baseado em princípios, valores, civismos, dedicação e respeito. “Caberá a nós que estamos a frente deste projeto oportunizar a formação baseada no respeito aos mais velhos, as autoridades, professores e pessoas com as quais os alunos convivem. Serão estudantes com senso crítico e reflexivo conscientes de seus diretos e deveres, e comprometidos com a realidade do nosso país. É um belo projeto que nos orgulha dos resultados que impactarão positivamente na comunidade escolar”, citou Sandra.


O prefeito Milton Schmitz destacou que com o modelo implementado a partir de então o valor que o município aplicará no custeio do pagamento dos militares que estarão na função de monitores será infinitamente menor do que os resultados que se espera com a nova modalidade.


Grupo de professores manifestou em frente a escola durante a inauguração

Em frente a escola, do lado de fora, havia um grupo de professores com cartazes da Aprocar manifestando seu descontentamento com a questão da não aplicação do piso do magistério nos percentuais indicados pelo Governo Federal para este ano. Durante sua fala, ao abordar a valorização da educação pela gestão, o prefeito Milton Schmitz citou que a Administração se comprometeu, e irá discutir a carreira do magistério confirmando que em breve um grupo de trabalho será chamado para iniciar as discussões em torno do tema.


O chefe do executivo também agradeceu o empenho da vice-prefeita, Valéska Walber, e dos vereadores, em especial, Alécio Sella. “Não conseguimos dimensionar os frutos que virão deste projeto e que serão diversos e positivos. Esperamos em breve ter outras escolas aderindo a este modelo que cria um cidadão diferente e melhor”, destacou o prefeito. Sem citar quando e qual, Schmitz confirma que a tendência é pela ampliação do formato cívico militar para outras escolas do município.



FONTE: DIÁRIO DA MANHÃ VIA https://diariodamanha.com/noticias/emef-eulalia-vargas-albuquerque-e-a-primeira-escola-civico-militar-da-cidade/