Casos de Cinomose deixam protetores dos animais em alerta

#PortalEstaEmTudo


A cinomose é uma doença canina viral e altamente contagiosa que pode levar à morte ou deixar graves sequelas nos animais que se curam dela.


O vírus se replica nas células sanguíneas e sistema nervoso central do animal. Nos estágios iniciais da doença, um sintoma bastante comum é a diarreia, uma vez que o sistema digestório é, geralmente, o primeiro a ser atingido. Em um estágio um pouco mais avançado da doença, o sistema respiratório é acometido, sendo observadas secreções normalmente amareladas e densas saindo pelo nariz e região dos olhos.


Na fase mais tardia da doença, acontece o acometimento do sistema nervoso central, que é quando o animal passa a ter o andar desorientado e tremores musculares que podem evoluir para crises de convulsões.


E essa grave doença foi identificada em cães recolhidos por protetores dos animais de Não-Me-Toque. O alerta chama a atenção para a importância da prevenção com a imunização dos animais através de vacinas. É necessário também desverminar o animal de 3 a 5 dias antes de vacinar, o que melhora a imunidade.


É preciso prevenir a cinomose e assim, evitar que nossos cachorros sofram e a transmitam para outros animais. O nome “cinomose” já nos diz muito sobre a doença, já que o prefixo “cino” sempre é referente aos cachorros. Sendo assim, seu caráter infeccioso se restringe apenas aos cães, ou seja, a cinomose não afeta os gatos.