top of page

Comitê de Política Monetária do Banco Central decide manter a taxa Selic em 10,5% ao ano

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu, nessa quarta-feira (19), manter a taxa Selic em 10,5% ao ano. A decisão foi unânime. Ou seja, todos os diretores do colegiado e o presidente do BC, Roberto Campos Neto, votaram pela manutenção do atual patamar.

A decisão representa o fim de um ciclo de cortes da taxa básica de juros, que começou a recuar em agosto do ano passado. Nesse período, foram sete quedas seguidas. A Selic estava em 13,75% ao ano no começo do ciclo. O Copom justificou que a inflação representa uma ameaça.

“O Comitê ressalta que, em seus cenários para a inflação, permanecem fatores de risco em ambas as direções”, disse.

Com a decisão de não cortar a Selic, o BC mudou de postura. Ao permanecer em 10,50% ao ano, a taxa segue no menor nível desde fevereiro de 2022, quando estava em 9,25% ao ano.

O Copom é formado pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e por oito diretores da autarquia.

A Selic é o principal instrumento de política monetária utilizado pelo BC para controlar a inflação. A taxa influencia todas as taxas de juros do país, como as taxas de juros dos empréstimos, dos financiamentos e das aplicações financeiras.

A reunião desta semana ocorreu em meio a críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) — que subiu o tom das críticas ao tamanho da taxa de juros.

“Só temos uma coisa desajustada neste país: é o comportamento do Banco Central. Essa é uma coisa desajustada. Presidente que tem lado político, que trabalha para prejudicar o país. Não tem explicação a taxa de juros estar como está”, declarou Lula nessa terça-feira (18), em entrevista à rádio CBN.

O Banco Central não se manifestou sobre as declarações do presidente Lula.

Desde a semana passada, o mercado financeiro deixou de estimar um corte na taxa básica de juros na reunião do Copom de junho. Até então, as instituições financeiras projetavam uma redução de 0,25 ponto percentual no juro básico, para 10,25% ao ano — estimativa que foi abandonada.

O relatório “Focus”, divulgado nessa segunda-feira (17) pelo Banco Central, ouviu mais de 100 instituições financeiras, na semana passada, sobre as projeções para a economia.

O resultado mostrou que a maioria dos bancos também deixou de estimar corte nos juros no restante deste ano. A projeção é que a taxa fique estável em 10,50% ao ano até o fim de 2024.

O Copom costuma se reunir a cada 45 dias para definir o patamar da Selic. Em 2024, o colegiado vai se reunir mais quatro vezes:

30 e 31 de julho;17 e 18 de setembro;5 e 6 de novembro;10 e 11 de dezembro.



Comments


bottom of page