top of page

Diabetes, uma doença que atinge 10% da população e requer cuidados constantes

Doença que se caracteriza pelo aumento dos níveis de glicose no sangue, o que acaba causando complicações na saúde, o diabetes assola 10% da população mundial. No ranking de nações, o Brasil aparece em quinto lugar, com estimados 17 milhões de pacientes que convivem diariamente com essa doença.

Falando no Dia Nacional do Controle do Diabetes, celebrado em 26 de junho, o médico endocrinologista Persio Ramon Stobbe, do Hospital São Vicente de Paulo, explicou que trata-se de uma doença crônica, a qual depois que o paciente adquire, acaba tendo que conviver ao longo da vida.

Esses pacientes são divididos em dois tipos, além da gestacional. O tipo 1 de diabetes se caracteriza pelo aparecimento da infância aos adultos jovens, no qual o paciente perde a capacidade de produzir insulina, necessitando de aplicações diárias externas. Já o tipo 2 de diabetes atinge 90% dos diabéticos, geralmente aparecendo em pessoas adultas e que já tenham outras comorbidades, como a obesidade, e hábitos de vida. Aliás, a prevalência do tipo 2 vem aumentando em acompanhamento ao crescimento do número de pessoas com obesidade.

Com alto risco, a cada 5 segundos uma pessoa morre com problemas ocasionados pela diabetes, como alteração na visão, funcionamento no rim, perda de sensibilidade e principalmente doenças cardiovasculares. Esses pacientes têm risco aumentado de sofrer um infarto, por exemplo.

De acordo com o médico Pérsio, a detecção do diabetes é feita pela medida da glicose no sangue, algo simples e quem tem fator de risco, é importante monitorar de forma rotineira essa glicose. O doutor Pérsio salienta que uma taxa de glicemia no jejum de 8 horas de até 100 é considerado normal, de 101 a 125 pré-diabético e acima de 126, diabético.

Além disso, Pérsio Ramon Stobbe chama a atenção para o risco alto, pois a diabetes é uma doença silenciosa. Perda de peso combinados a cansaço, sede, fome, vontade frequente de urinar e enformigamentos constam como os principais sintomas.


Kommentare


bottom of page