Diretor do Solano, Cleomar Fritzen fala sobre o suposto ataque ao educandário

A reportagem do Portal NMT de Notícias conversou no final da manhã desta sexta-feira (29), com o diretor do Instituto Educacional São Francisco Solano, Cleomar Fritzen. Cleomar esclareceu, em detalhes, a ocorrência registrada na Delegacia de Polícia de Não-Me-Toque que trata sobre um suposto ataque ao educandário.


Segundo Cleomar, o caso vinha sendo tratado internamente desde o inicio da semana. Nesta quinta-feira (28), algumas alunas se dirigiram à direção da escola para alertar sobre o fato de que poderia ser cometido um suposto ataque no educandário por um aluno de 17 anos, do 1º ano do Ensino Médio. Diante do registro, a direção averiguou internamente se o caso era verídico ou não e convidou o aluno para conversar. "Conversamos muito com ele, e em nenhum momento ele deixou transparecer que estaria planejando algo," afirmou Cleomar. Ao voltar para a sala de aula, a direção foi novamente procurada, mas por alunos de outras turmas que apresentavam receio e estavam com medo das conversas que circulavam pela escola. No intervalo, a direção repassou o caso aos professores. Cleomar, ainda conversou com uma pessoa que supostamente teria ouvido a conversa. A mesma não confirmou, mas repassou o nome de outros alunos que teriam sido procurados por ele.


Em conversa com os alunos mencionados, as possíveis testemunhas afirmaram que foram procuradas pelo aluno que apresentou à elas, um plano de assalto a escola. "Ele se diz um "Robin Hood" e que tem como objetivo ajudar os pobres, acabar com a fome e a sede na África. Como o Solano está promovendo uma rifa, ele imaginou que a escola teria dinheiro em caixa e que iria saquear o mesmo," explicou Cleomar.


Ainda durante o decorrer do dia, a direção chamou a mãe do aluno para falar sobre o fato. Em uma longa conversa, a mãe falou sobre a situação familiar - desde que nasceu, o vínculo em casa, o relacionamento fora da escola, deixando a escola a par de toda a situação.


Na manhã desta sexta-feira (29), um número bastante acentuado de alunos não foram ao educandário. "É um dia apreensivo, mas tranquilo, dentro da medida do possível," afirmou Cleomar. Alguns ajustes internos foram realizados, como também foi registrado um boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia local que investigará o caso.


Ainda segundo Cleomar, o jovem não tem contato com redes sociais, não possui conta no Facebook e Whatsapp. É um adolescente com maturidade e culto. "Por trás desse jovem existe uma vida, uma história, não podemos julgar ele nesse momento. Agora se ele fez isso com segundas intenções, ele precisa de ajuda de profissionais, por que ele pode estar pedindo um grito de socorro, de ajuda."