Em 10 anos, Não-Me-Toque teve redução de 187 estabelecimentos agropecuários


Houve uma diminuição na quantidade de estabelecimentos agropecuários em Não-Me-Toque. É o que apontam os dados preliminares do Censo Agropecuário realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.


De acordo com os dados, houve uma diminuição de 27,21% na quantidade de estabelecimentos agropecuários em Não-Me-Toque, passando de 687 em 2006 para 500 em 2017, ou seja, 187 estabelecimentos. A informação foi repassada pelo coordenador da sub-área do IBGE de Carazinho, Tiago Soares, em entrevista à Rádio Ceres.


Segundo Tiago, são considerados estabelecimentos agropecuários todas aquelas unidades produtivas, ou seja, produtores que usam a terra para o plantio. "Estabelecimento agropecuário não é o mesmo de propriedade rural, e sim unidades produtivas. Quem mora no interior, mas não planta para consumo próprio ou fonte de renda não é contabilizado como produtor rural, só é um morador do local," afirmou Tiago.


Entre os fatores da redução de estabelecimentos agropecuários está a metodologia de coleta. Em 2006, o produtor que tinha propriedade em São José do Centro e outra área em Colônia Saudades, contabilizava duas vezes. No censo de 2017, todas as áreas com a mesma titularidade, contabilizou apenas um estabelecimento.


O acesso a internet dentro dos estabelecimentos agropecuários é outro dado interessante presente no censo. Em 2017, das 500 propriedades, 265 tem alguma forma de acesso a internet, seja de banda larga ou móvel.


Outro dado relevante foi o acesso a orientação técnica. Em 2006, 83% das propriedades informaram que tinham orientação técnica. Hoje esse número aumentou para 90%.


Sobre as propriedades com produção de leite, reduziu o número de produtores, porém aumentou a quantidade de leite produzido.


Não-Me-Toque possui atualmente 36.167 hectares, sendo 31.462 hectares de produção. Área de plantio direto, em 2006, 86% faziam uso do plantio direto, e em 2017, 93%. Sobre o uso de agrotóxicos, em 2006, 86% utilizavam agrotóxicos e em 2017, 94%.


A coleta de informações para o Censo Agropecuário foi realizado dos meses de outubro de 2017 a fevereiro de 2018.