top of page

Verão exige cuidados com alimentos e água


Na estação mais quente do ano, é preciso ter atenção redobrada ao se consumir alimentos e água. Nesta época, casos de intoxicação causada por bactérias ou vírus que podem sobreviver nesses ambientes são mais comuns. Por isso, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) alerta para alguns cuidados que podem evitar problemas intestinais.


“No verão, a temperatura é mais propícia para a proliferação de micro-organismos. É no calor que eles mais gostam de se multiplicar”, explica a coordenadora do Programa Estadual de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Lilian Borges Teixeira. “As pessoas mais vulneráveis a doenças diarreicas agudas em geral são crianças, idosos e imunocomprometidos”, alerta.


Essas contaminações podem levar a doenças diarreicas agudas, que são caracterizadas por três episódios ou mais de diarreia em 24 horas que podem estar ou não associados a outros sintomas, como náusea, vômito ou dor abdominal. Elas podem ser causadas pelo consumo de água ou alimento contaminado e, em um segundo momento, ocorrer a transmissão de pessoa a pessoa, em caso de secreções respiratórias ou transmissão fecal-oral, por exemplo.


Quando duas ou mais pessoas consomem alimentos ou água contaminados da mesma origem se caracteriza um surto. Nesses casos, é importante que se faça a notificação nos canais de comunicação oficiais, como o Disque Vigilância do Estado (telefone 150), ou os serviços de vigilância de cada município.


Lilian explica que, a partir do momento em que há a notificação, é desencadeada uma série de ações para investigar a causa do surto e evitar que novos casos aconteçam.

De acordo com a epidemiologista Amanda Brito de Freitas, do Cevs, os sintomas podem durar entre três e 14 dias. Em caso de adoecimento, ela recomenda: ingerir bastante água para evitar desidratação, alimentação leve e balanceada para regular a flora intestinal, não se automedicar e buscar ajuda médica, caso persistam os sintomas.


Entre 2017 e 2022, foram registrados 222 surtos de doenças de transmissão hídrica e alimentar e 163 de doenças diarreicas agudas no Rio Grande do Sul. Os principais causadores dos surtos registrados no Estado durante o período foram as bactérias Estafilococos coagulase positivo (encontradas na pele) e Escherichia coli (encontradas nas fezes). Ambas estão relacionadas à manipulação inadequada dos alimentos e com a falta de higiene das mãos.


Os micro-organismos foram encontrados mais frequentemente em alimentos mistos, que envolvem muitos ingredientes e várias etapas de produção, e em cereais ou farinhas e outros produtos a base de cereais. Também é preciso ter cuidado no manejo e consumo de alimentos como carnes e processados, ovos, leite e frutas.


Orientações

  • Consumir água potável; saber a origem da água. Se não for possível, ferver a água por, no mínimo, cinco minutos e depois filtrar.

  • Lavagem frequente de mãos com água e sabão.

  • Cozinhar bem os alimentos; não consumir carnes ou outros alimentos de origem animal malpassados ou crus.

  • Lavar bem as frutas e verduras, esfregando para retirar os resíduos orgânicos, e deixá-las de molho por 15 minutos em água com cloro.

  • Lavar bem equipamentos, utensílios e superfícies que serão utilizados para fazer a preparação dos alimentos.

  • Analisar as condições de higiene e origem dos alimentos comprados por vendedores ambulantes; nestes casos, preferir o consumo de alimentos bem cozidos.

  • Verificar a procedência da água do gelo utilizado nas bebidas compradas.

  • Estar atento ao “binômio tempo-temperatura”, dois fatores muito importantes no preparo de alimentos. De acordo com a legislação estadual, o tempo máximo de exposição de um alimento cru a temperatura ambiente, no verão gaúcho, é de 30 minutos.

Texto: Marília Bissigo/Ascom SES Edição: Secom


Comentários


bottom of page